Ariely Vitória

Por Mirian Rocha

Sou Mirian Rocha, mãe de um milagre de Deus. Sou mãe da Ariely Vitória, que nasceu com uma cardiopatia rara que a fez necessitar de um transplante cardíaco urgente.

Durante a gravidez não foi possível detectar seu problema, mas eu sempre sentia uma bem mais quieta que a outra (sim, foi uma gravidez de gêmeas). 14803107_1240463379360715_1533977049_oUm dia após nascer, minha bebê logo foi encaminhada para a UTI e fui impedida de vê-la, pois eu também estava na UTI por ocasião de complicações no parto. Alguns dias depois é que fui saber do real problema dela, que era portadora da Síndrome da Hipoplasia do Coração Esquerdo – SHCE, sem possibilidade de cirurgia paliativa, e que somente um milagre poderia salva-la, visto que entraria na fila de transplante e é raro aparecer um coração para um bebê tão novo. Mas entregamos tudo nas mãos do Senhor, e esperamos nele.

14876194_1240502706023449_462602117_oNo mesmo dia que a Ariely entrou na fila de transplante apareceu um coração compatível para ela, mas infelizmente a família do possível doador se negou a doar. E foi um “não” muito difícil de escutar. Mas há tempo para todo propósito e estávamos confiantes que Deus estava no controle de todas as coisas. E para honra e glória do Senhor, para mostrar que ela era um milagre e que Deus era capaz de providenciar esse milagre, um segundo coração apareceu, e dessa vez a família autorizou a doação.

Nosso coração tem transbordado de agradecimento a Deus, agradecimento à família doadora pelo gesto de amor ao próximo mesmo em meio à dor indescritível da perda de um ente querido. Nossos votos à essa família é que ela seja abençoada infinitamente e também confortada por Deus. Não poderíamos deixar de agradecer também a toda equipe médica do Hospital do Coração de Messejana, os quais nunca desistiram da nossa bebê e sempre foram dispostos a achar soluções para o caso dela. A Ariely passou 2 meses e meio internada na UTI do Hospital do Coração em Messejana sob os cuidados de uma equipe maravilhosa, e agora ela poderá ter uma chance de viver uma vida fora de um quarto de hospital.

Veja outras publicações de Assistência às famílias