Comissão de Legislação Participativa discute atendimento para crianças com cardiopatia congênita

Foi realizada em 9/11/2016 audiência pública sobre o tema: A situação do atendimento ambulatorial e cirúrgico das crianças com cardiopatia congênita, requerida pela deputada Erika Kokay (PT/DF) que conduziu a sessão após a abertura dos trabalhos pelo presidente da comissão Dep. Chico Lopes (PC do B/CE),  no  Plenário 3 da Câmara dos Deputados.

Fizeram parte da mesa e tiveram oportunidade de expor os diversos aspectos relacionados ao tema: Dr. Fernando Lucchese – Diretor do hospital São Francisco de cardiologia da Santa Casa de Porto Alegre, Dr. Jorge Yussef Afiune  – representando a Sociedade Brasileira de Pediatria, Dr. Fabio Jatene – Presidente da SBCCV, Sra. Márcia Adriana Saia Rebordões – Presidente da Associação de Assistência à Criança Pequenos Corações, Dra. Karen Bezerra Rocha de Aguiar – Defensora Pública do Núcleo Jurídico de Saúde do Distrito Federal, Sr. Eduardo David Gomes de Sousa – Analista Técnico de Políticas Sociais – Coordenação Geral de Média e Alta Complexidade do Ministério da Saúde.

Na ocasião, foram abordadas as dificuldades porque passam os hospitais públicos e filantrópicos no que concerne a dificuldade de manter uma alta demanda de casos cada vez mais complexos, os repasses oriundos do SUS estão aquém do que é gasto nos hospitais que atendem a crianças com cardiopatias congênitas.

Também foi indicada a proposta de rever o teto financeiro além de se criar uma equipe de trabalho com a participação das sociedades de especialidade, representantes da sociedade civil e governo federal para análise das propostas e projetos apresentados anteriormente e não consolidadas. Além de rediscutir a rede de atendimento a criança cardiopata.

Ao término da sessão a deputada Erika encarregou-se de agendar uma reunião com o ministro da Saúde a fim de deliberar sobre o assunto. Reiterou que vai defender a criação de um grupo como o que compôs a mesa nesta Audiência Pública para tentar minimizar os problemas atualmente encontrados no acesso à cirurgia dos portadores de cardiopatias congênitas.

Fonte: Sociedade Brasileira De Cirurgia Cardiovascular.

Outras notícias